Explorando o melhor de Paraty!

Caminho do ouro e do café, além de um dos maiores produtores de cachaça, Paraty foi um das principais cidades do Brasil colonial sendo a rota necessária dos mais valiosos produtos da época através de uma trilha que subia pela Serra da Bocaina e fazia a ligação entre Rio e São Paulo após a fundação da Capitania do Rio de Janeiro.

Sendo a via estratégica do ouro, até que oficialmente inutilizada pela Coroa em meados de 1730, Paraty foi uma das mais importantes cidades portuárias para escoar também o Café do Vale do Paraíba e a famosa cachaça, que no início da produção era chamada de Paraty (As pessoas tomavam Paraty, ao invés de cachaça). Até que, com construção de uma ferrovia a trilha ganhou uma substituta que somado à abolição da escravatura, onde as mãos de obra necessárias ficaram escassas para o trato da cana e café, fez com que a cidade perdesse seu destaque nas rotas comerciais.

Cerca de 4 horas do Rio, é possível voltar no tempo e conhecer um centro histórico (que dado sua importância cultural deveria estar muito mais preservado e cuidado, mas ok!) que vivenciou momentos marcantes na história do Brasil e revela tantas surpresas a ponto de tornar as visitas incansáveis. É um lugar para ir com a família, com amigos, namorado, criança pequena, idosos e enfim, todos vão concordar que é um lugar para se voltar muitas outras vezes. Aprecie aqui tudo de melhor que dá para ver e fazer na cidade e comece a se programar agora!!!

A cidade…

Acredite: essas ruas vão te conquistar nos primeiros segundos

Acredite: essas ruas vão te conquistar nos primeiros segundos

DSC_0112

Igreja da Matriz

Igreja da Matriz

Adoro essas portas e cores!

Adoro essas portas e cores!

Até que Paraty fosse descoberta para o turismo, as antigas casas coloniais era apenas casas velhas. Hoje, comprar uma delas é quase o mesmo que desembolsar num apartamento de cidade grande, além claro, adquirir um bem que pode muito bem ser considerado um Patrimônio histórico.

Até que Paraty fosse descoberta para o turismo, as antigas casas coloniais era apenas casas velhas. Hoje, comprar uma delas é quase o mesmo que desembolsar num apartamento de cidade grande, além claro, adquirir um bem que pode muito bem ser considerado um Patrimônio histórico.

Quando chove, a maré sobe e entra cidade adentro dando ares diferentes para Paraty

Quando chove, a maré sobe e entra cidade adentro dando ares diferentes para Paraty

DSC_0102

Ruelas

Ruelas

As ruas de pé de moleque, que dizem levar esse nome pois foram pedras colocadas por escravos que não tendo como compacta-las no solo, batiam nelas com os pés para fixar.

As ruas de pé de moleque, que dizem levar esse nome pois foram pedras colocadas por escravos que não tendo como compacta-las no solo, batiam nelas com os pés para fixar.

DSC_0685

DSC_0823

O movimentado centro de noite

O movimentado centro de noite

Doces artesanais

Doces artesanais

Igreja de Santa Rita, um dos cenários mais famosos em Paraty

Igreja de Santa Rita, um dos cenários mais famosos em Paraty

DSC_0100

Armazém da cachaça, um lugar perfeito pra comprar as suas se você não tiver tempo de visitar os alambiques.

Armazém da cachaça, um lugar perfeito pra comprar as suas se você não tiver tempo de visitar os alambiques.

DSC_0686

Uma noite muito animada pelas ruas da cidade

Uma noite muito animada pelas ruas da cidade

IMG_3583

Pelos alambiques

Paraty poderia ser descrita como a Meca das cachaças, por isso fica difícil sair de lá sem entrar pelo menos em um Alambique e conhecer de perto o processo de produção. Todas elas oferecem uma degustação (algumas inclusive das suas garrafas premiums) e outras proporcionam até mesmo a experiência de sentar com o próprio dono do Alambique, como é o caso da Maria Izabel, onde a dona de mesmo nome senta-se junto aos convidados para contar de cada uma das suas garrafas, inclusive daquela que ganhou um prêmio e está entre as 10 melhores do mundo (!!!!!).

Os barris de jequitibá da Maria Izabel

Os barris de jequitibá da Maria Izabel

A cana utilizada é em sua maioria própria e a produção é de apenas 8300 litros/ano.

A cana utilizada é em sua maioria própria e a produção é de apenas 8300 litros/ano.

Várias reportagens já saíram na mídia sobre o alambique

Várias reportagens já saíram na mídia sobre o alambique

Mas é impagável sentar com a própria dona e provar a cachaça. As instalações têm luz elétrica há "apenas " 7 anos, antes o bombeamento era feito pela gravidade.

Mas é impagável sentar com a própria dona e provar a cachaça. As instalações têm luz elétrica há “apenas ” 7 anos, antes o bombeamento era feito pela gravidade.

O alambique fica num local maravilhoso e cheio de natureza

O alambique fica num local maravilhoso e cheio de natureza

Como chegar: Ligue para a proprietária para agendar pessoalmente a visita no (024) 9 9999-9908. Não se espante se seu grupo for o único na visita, lá é um trato realmente muito exclusivo. Leia aqui uma matéria com a Maria Izabel e entenda porque a visita é imperdível!!

E na Paratiana ainda tem mais!!

O alambique da Paratiana é uma visita menos pessoal mas vale muito pelo ambiente e degustação dos licores feitos com a cachaça da casa

O alambique da Paratiana é uma visita menos pessoal mas vale muito pelo ambiente e degustação dos licores feitos com a cachaça da casa

Paratiana

Paratiana

Seus alambiques de cobre

Seus alambiques de cobre

A cachaça ouro é formidável!

A cachaça ouro é formidável!

Como chegar: Não é necessário agendar, basta aparecer e aproveitar!! O endereço é Estrada da Pedra Branca, km 1, telefone (24) 3371-6329.

A Murycana era um antigo engenho com a casa do senhor de engenho, dos escravos e alambiques!!

A Murycana é uma parada surpreendente!! Funcionou por anos como o entreposto de comercialização do ouro e do café.

A Murycana é uma parada surpreendente!! Funcionou por anos como o entreposto de comercialização do ouro e do café.

A antiga fazenda de engenho é um verdadeiro cenário (e seria perfeito se tivesse um trato melhor mas a visita vale assim mesmo)

A antiga fazenda de engenho é um verdadeiro cenário (e seria perfeito se tivesse um trato melhor mas a visita vale assim mesmo)

Uma réplica do rancho que existia antigamente e que hoje vende coisinhas típicas da fazenda

Uma réplica do rancho que existia antigamente e que hoje vende coisinhas típicas da fazenda

A casa que funciona como museu

A casa que funciona como museu

Reprodução da casa do senhor de engenho

Reprodução da casa do senhor de engenho

DSC_0789

Como chegar: Na época da minha visita a Murycana estava funcionando normalmente mas infelizmente em fevereiro de 2014 não encontrava-se mais aberta a visitações. Mesmo assim coloquei aqui porque recomendo a chance de ver de perto um engenho antigo (Pesquisei pela área e informaram que a Globo comprou o local, agora é esperar que role um investimento que a reabra em breve).

Um passeio de barco inesquecível

Em Paraty são zilhões as opções de passeio de barco. Desde escunas com 100 pessoas até o aluguel de barcos menores e lanchas. A escuna tem aquele problema da super lotação (além da música alta que espanta até os pensamentos) que pode tornar o passeio mais estressante quando todas resolvem parar no mesmo lugar. Por isso que o ideal é chegar lá e reservar seu barquinho (especialmente em alta temporada) para fazer um passeio que vai renovar todas suas energias! Eu tive a chance de encontrar um barqueiro fofíssimo que virou meu contato de ouro em Paraty. No barco dele cabem 15 pessoas, você pode levar suas bebidas, dizer para o seu Manuel onde quer parar e ficar lá de molho um dia todinho. Uma opção maravilhosa se você está viajando com amigos e família e dividindo por todos fica um valor super em conta.

Chegando no cais

Chegando no cais

Seu Manoel e seu barquinho

Seu Manoel e seu barquinho

DSC_0108

Primeia parada: Ilha do sapeca

Primeia parada: Ilha do sapeca

Alguém quer alugar essa modesta casinha?

Alguém quer alugar essa modesta casinha?

Ilha do Mantimento

Ilha do Mantimento

DSC_0713

Praia Vermelha, onde paramos para almoçar

Praia Vermelha, onde paramos para almoçar

Bambubar

Bambubar

Vida difícil né?

Vida difícil né?

IMG_3654

Muita natureza!!

Muita natureza!!

Contato: Seu Manoel é a minha melhor recomendação nesse post. Podem ligar com antecedência para marcar no (24) 9 9979-4930, (24) 7835-4278 ou no Nextel 920*6312. E o nome do barco é Capitão Vitor para o caso de não conseguirem falar com ele. Daí basta ir pro cais e procurar o barco, todos conhecem ele.

Muito sol, praias e água fresca!!

Além do passeio de barco, Paraty têm praias que compõe um cenário paradisíaco e único. Algumas você chega a pé, depois de uma caminhada por uma trilha como é o caso da Praia do sono, cuja trilha Mata Atlântica adentro é uma atração a parte. Deve ser uma caminhada de mais ou menos 45 minutos cada trecho e dá para ver muitos bichos pelo caminho (eu tive “sorte” e vi uma cobra que parecia com a coral, medo!!!!).
Da praia do sono dá para ir para Antigos e Antiguinhos, outra praia com pouquíssimas pessoas e muito linda!

Quando acaba a trilha, encontramos essa vista maravilhosa da praia!!

Quando acaba a trilha, encontramos essa vista maravilhosa da praia!!

Praia do sono, muita tranquilidade e natureza

Praia do sono, muita tranquilidade e natureza

É ou não é um lugar único?

É ou não é um lugar único?

DSC_0644

DSC_0670

Outro refúgio para passar o dia todo é Trindade. Com muitas praias para explorar, dá para escolher entre aquela boa para surfar (Praia do Cepilho), Praia Grande, Praia do Rancho e dezenas de outras.

Para chegar em Trindade tem ônibus saindo da rodoviária de Paraty mas também é uma opção fechar um taxi se você estiver em grupo e quiser mais conforto. Recomendo o taxista que levou nosso grupo, muito gente boa e confiável. O nome dele é Paraibinha, telefone (24) 9 9815-7277.

Trindade

Trindade

IMG_3741

Em Trindade dá para andar de caiaque, stand up padle e até  banana

Em Trindade dá para andar de caiaque, stand up padle e até banana

Com um pouco mais de tempo, tire um dia todo para conhecer a Ilha do Pelado. Para chegar lá basta chegar na Praia de São Gonçalo na altura do km 542 da BR 101 e procurar o estacionamento mais próximo. De lá, você pega um barco que custa 15 reais (ida e volta) que te leva exclusivamente para ilha. O Bar da Bete é o único quiosque de lá e nem precisa de mais. O pastel gigante de camarão e o bolinho de aipim complementam o resto do cenário e podem ser a escolha perfeita para fechar Paraty com chave de ouro.

Estacionamento mais perto de onde ficam os barcos para a Ilha

Estacionamento mais perto de onde ficam os barcos para a Ilha

Praia de São Gonçalo

Praia de São Gonçalo

Barco para Ilha do Pelado

Barco para Ilha do Pelado

A ilha

A ilha

Um paraíso!!

Um paraíso!!

DSC_0150

É tão lindo que dá vontade de nem sair de lá!

É tão lindo que dá vontade de nem sair de lá!

DSC_0140

DSC_0144

CSC_0156

E ainda por cima, come-se bem!
Além de tudo que já sabemos que dá para fazer em Paraty, ainda tem a parte gastronômica que é um show! Menção honrosa para o Le Castellet, um restaurante-bistrô de um francês chamado Yves que te transporta para Provence. Desde o ambiente, até os pratos feitos com toda pompa francesa, esse é um lugar para parar de tarde ou de noite sem hora para sair. E o melhor: os preços são sensacionais e as caipirinhas feitas somente com Maria Izabel, ou seja, não dá para não ser perfeito.
Ahhh, vale a pena investir num dos azeites que o Yves faz e vende lá, são deliciosos!!!!!

Le Castellet

Le Castellet

Dá pra sentar nas mesinhas lá fora...

Dá pra sentar nas mesinhas lá fora…

O cardápio não é individual e as opções de prato estão escritos num quadro negro trazido pelo próprio Yves

O cardápio não é individual e as opções de prato estão escritos num quadro negro trazido pelo próprio Yves

Um crepe delicioso!

Um crepe delicioso!

De dia

De dia

Além disso, pela cidade tem restaurantes de todos os gostos e bolsos então não tenha medo de arriscar!!!!

Para uns drinks e petiscos, o Barthholomeu é perfeito!

Para uns drinks e petiscos, o Barthholomeu é perfeito!

Já o restaurante Caramujo, mais simples, tem um prato que acaba com qualquer fome: peixe bola, peixe recheado com queijo, muito bom!

Já o restaurante Caramujo, mais simples, tem um prato que acaba com qualquer fome: peixe bola, peixe recheado com queijo, muito bom!

Um pouco mais distante mas igualmente imperdível, o Villa Verde é um restaurante que já te convida pra uma aventura na entrada: é preciso atravessar uma ponte estilo Indiana Jones para chegar nele. Quando chegamos tudo vale a pena, em meio a floresta e barulho de cachoeira e pássaros, podemos desfrutar de um almoço maravilhoso!

A ponte que te leva ao Villa verde

A ponte que te leva ao Villa verde

A paisagem

A paisagem

Villa Verde

Villa Verde

O restaurante

O restaurante

A cozinha fica aberta à visitações

A cozinha fica aberta à visitações

Destaque também para: Refúgio, Thai Paraty e Hiltinho (amei muito esse), que não tiveram fotos mas foram ótimos!!

Onde ficar: O Palmeira Imperial Anexo é um hotel de instalações simples mas super bem localizado. Do mesmo grupo da Pousada Palmeira Imperial, já fiquei nas duas e recomendo. Se quiser pesquisar mais preços amigos me recomendaram (e ficam na mesma rua) a: Pousada Gabriela, Pousada das Bananeiras e o Hostel Recanto Azul, todos muito bem recomendados.

Na minha primeira vez em Paraty fiquei na Pousada Morro do Forte e também amei!!! É menos “dentro” do centro como as outras citadas mas fica há 6 minutos caminhando do centro. Super tranquila, café da manhã farto e com muita natureza em volta.

Como chegar: Sai ônibus da rodoviária Novo Rio (Rio de Janeiro) com bastante frequência desde as 4 horas da manhã com a companhia Costa Verde. De ônibus a viagem dura cerca de 4 horas e meia e a rodoviária de Paraty fica perto do Centro, logo chegando lá se locomover não será problema (isso se você ficar perto do Centro histórico, o que recomendo muito!). De carro dá para fazer mais rapidinho mas lembre-se de checar se a pousada tem estacionamento dado que em alta temporada a cidade enche (e carros não entram nas ruas históricas).

O que mais fazer: Em Paraty você também vai achar passeios para as cachoeiras que ficam ali perto. Normalmente são empresas que fazem o tour em uma 4×4 e visitam cerca de 4 cachoeiras e alguns alambiques. Além disso, vale a pena tirar um dia e conhecer o Saco do Mamangua, um fiorde tropical da costa brasileira rodeado de natureza e Floresta Tropical Atlântica. AMBOS estão na minha lista do que fazer quando voltar para a cidade!!!

FESTIVAIS: Em julho ocorre a FLIP (Festa Literária Internacional de Paraty) um dos maiores festivais literários do Brasil. A cidade fica lotada de turistas e de importantes personalidades da literatura. Em meados de agosto é o Festival da Cachaça que anima, com várias barraquinhas dos alambiques de Paraty e muita degustação de pinga.
Veja aqui as demais festas da cidade!

Custos:
- Almoço no Vila verde: 60 reais
- Jantar no Hiltinho: 70 reais (com prato + 2 caipis de Maria Isabel)
- Aluguel de Barco: 450 reais (Éramos 6 e esse foi o valor cobrado, porém o preço pode variar de acordo com a qde de pessoas e estação do ano. Cabem 15 pessoas confortavelmente).
- Almoço na Praia Vermelha (Bambubar): 42 reais
- Jantar no Le catellet: 30 (crepe) + 15 (Caipirinha)
- Transporte para Trindade (de taxi fechado): 50 reais (ida e volta. O preço total foi de 200 reais, dividi com mais 3 pessoas)
- Jantar restaurante Caramujo: 45 reais
- Drinks no Bartholomeu: 16 reais (cada caipirinha)
- Bar da Beth: 44 reais (2 pasteis, um bolinho de aipim e 2 refrigerantes. Cada pastel foi 12 – de camarão – o bolinho foi 10 e cada refri 5)
- Barquinho para chegar na ilha do pelado: 15 reais (ida e volta)

Se você tem mais dicas sobre esse paraíso, deixe aqui para outros viajantes!!!

Faça seu comentário
  1. Liane 26/05/2014 às 11:36

    Manu, que legal esse post!!! Não sabia que Paraty era tão diverso assim… sempre me deu preguiça de dirigir até lá mas vou repensar isso.
    Qual melhor época pra ir?

    Bjss

    • Manu 28/05/2014 às 23:50

      Liane, obrigada!!! Olha pra mim Paraty cai bem qq época do ano PORÉM quando chove a cidade pode sim ter algumas limitaçoes. Se eu pudesse escolher uma época pra ir seria sempre em fevereiro, com o solzão azul, mar verdinho e um calor de lascar kkk
      Bjosss

  2. Emilia Isidro 26/05/2014 às 15:03

    Amei o Post, amei Paraty e as fotos estão de D+!! Com certeza vou voltar lá!
    Suas dicas vào me ajudar e conhecer coisas que não deu tempo de ir.
    O Barqueiro é bárbaro e o passeio é lindo!!Bjs e Parabéns!

    • Manu 28/05/2014 às 23:48

      Obrigada!! Aproveite as dicas e se tiver dúvidas me avise.
      Bjoss

  3. Betina 02/06/2014 às 22:08

    Oi, Manu! Lindo Post! Estava pesquisando sobre Paraty e te achei por aqui… Duas perguntinhas: acredito que valha a pena a visita aos alambiques, mas, para comprar as cachaças há um precinho especial em relação às lojas? Além disso, você lembra quanto pagou ao barqueiro mais ou menos? Estamos indo somente eu e meu namorado com um orçamento não muito folgado. Rs.
    Obrigado pelas dicas!
    Bjs e parabéns!

    • Manu 02/06/2014 às 23:12

      Oi Betina!! Tudo bem? Existe uma diferença de pelo menos 5 reais no preço das cachaças nos alambiques e na loja para a Paratiana. No caso da Maria Izabel percebi uma diferença ligeiramente maior, mas lembro que nao passava de 10 reais. O que vale mesmo, além dessa pequena diferença (mas considerável se vc for comprar mais garrafas ) é que vc pode ver de perto a produção, é super interessante!!
      O barqueiro foi 450 reais mas dependendo da estação e numero de pessoas ele pode fazer um preço melhor sim, qdo vc está pretendendo ir?? Fui com meu namorado e foi maravilhoso!!! É um passeio romântico e traquilo e dá pra pedir pro seu Manoel parar em várias praias legais :o)

      Bjoss

  4. Sharon 02/06/2014 às 22:53

    Hallo, Manu! I was looking for some beautiful pictures in internet of Paraty to show my friends here in Canada and found your site. All beautiful! I’ve been there in Brazil last year and visited this wonderful city. I agree with you about almost everything! :) The only thing I do not have the same opinion as yours is about the preservation of the historical center. The brazilian historical heritage is being mistreated by the government when we look the churches and see the lack of maintenance that threatens their survival. :( However, your culture, food, landscapes and people make Brazil one of the best places I’ve already been ever. Cheers!

    Sharon – Vancouver

    • Manu 02/06/2014 às 23:22

      Hi Sharon!!!! How nice to have a comment from Canada! :o)
      I do agree with you, indeed the city could be more preserved considering its importance for Brazilian historY. Let’s expect politicians finally give more attention to Paraty and maybe next time you come everything will be way better :o)

      See u!

  5. Mimi 24/07/2014 às 00:21

    Oi Manu, tudo bom? Quanto os alambiques cobram pelas visitações com degustação? Percebi que você não colocou os custos deles no final do post…

    Obrigada!

    • Manu 29/07/2014 às 10:36

      Oi Mimi, tudo bem???? A Paratiana (e a extinta Murycana) não cobravam a degustação. Você chega no Alambique e experimenta livremente. Já a Maria Izabel era um preço bem simbólico mas não sei te dizer exatamente quanto pois fui lá faz muitoooo tempo(nesse post juntei tudo de melhor que vi em Paraty mas foram em vistas diferentes) então esse valor pode estar desatualizado. É essencial que vc faça reserva nessa última, pode ligar para esse número que dei e agendar pessoalmente com a dona pois nem sempre ela está na casa ou recebendo visitantes.

      Bjoss

  6. Marcella 08/10/2014 às 11:39

    Oi Manu, amei as dicas.

    Em relação aos preços no fim do post, são indiviuais?

    bjs

    • Manu 16/10/2014 às 10:00

      Oi Marcela!!! Tudo bem?? São preços individuais sim exceto pelo barco cujo preço é fechado e por isso o valor por pessoa vai variar de acordo com quantas são para o passeio :)
      Qq outra duvida me avisa!

      Bjoss

  7. Deb do Segredos de Londres 30/01/2015 às 11:47

    Oi Manu,
    Que pena que só achei seus posts sobre Paraty agora! Estive lá no fim do ano e só via tours para alambiques com agências, que custavam super carro, acabei não indo. O bom é que voltarei a Paraty muitas vezes e ainda vou aproveitar suas dicas.
    Aproveito para recomendar o restaurante italiano Punto Divino, que fica na praça da Catedral. É um “vero italiano”, comemos super bem, e a um preço justo.
    Abraços!

    • Manu 30/01/2015 às 14:22

      Oi Deb!!! Paraty é mesmo maravilhoso né?? Eu amo demais e assim como vc tenho vontade de voltar sempre :)
      Vou anotar o nome desse restaurante pra ir numa próxima vez!!

      Bjos

25
May
2014